Avaliação da periculosidade da costa rochosa do município do Rio de Janeiro – Monografia de Filipe Miguel

Avaliação da periculosidade da costa rochosa do município do rio de janeiro: contribuição para os planos de segurança e prevenção de acidentes – FELIPE LIMA CAMPOS GUIMARÃES MIGUEL

MIGUEL, Felipe Lima Campos Guimarães. Avaliação da periculosidade da costa rochosa do município do rio de janeiro: Contribuição para os planos de segurança e prevenção de acidentes. Rio de Janeiro, 2016. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Departamento de Geografia – Instituto de Geociências – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.
Estudos sobre costas rochosas são de grande valia na elaboração de planos de segurança e prevenção de acidentes. Dos perigos enfrentados pelos usuários dessas localidades costeiras estão as ondas. A maioria dos acidentes é ocasionada pelo movimento de subida e descida das ondas nas superfícies rochosas, conhecido como lavagem, que acaba arrastando os usuários para o mar. A magnitude da lavagem é influenciada tanto por aspectos ligados a morfologia da costa como pelo clima de ondas local. Acidentes por lavagens são comuns na costa rochosa do município do Rio de Janeiro. Diante disso, o presente estudo busca, através de parâmetros geomorfológicos e oceanográficos, avaliar o grau de periculosidade de locais da costa em questão utilizados para lazer. O reconhecimento das faixas de atuação das ondas funcionou como indicador dos alcances máximos atingidos pelas lavagens nos locais avaliados. Os resultados mostram que a orientação dos locais frente à direção das ondas exerce influência significativa na magnitude das lavagens. A inclinação mais suave de alguns trechos da costa pode aumentar o grau de exposição de alguns locais frente à ação das ondas. Os locais mais expostos às ondulações de tempestade vindas dos quadrantes de S e que apresentam lavagens de maior alcance foram considerados os mais perigosos. Já os locais orientados entre os quadrantes de W, N e E apresentam lavagens de menor alcance foram considerados os mais seguros. A rugosidade da superfície não exerce grande influência na magnitude das lavagens. No entanto, a mesma pode ser considerada um elemento potencializador do perigo. Nos locais com superfície classificada como lisa a probabilidade de o usuário escorregar no mar é maior. A partir dos parâmetros analisados os locais tiveram seu grau de periculosidade classificado como baixo, moderado, elevado e muito elevado. Espera-se que os resultados encontrados pela pesquisa possam servir no auxílio de medidas preventivas e na redução de acidentes na costa rochosa do município.
Palavras-chave: Costa rochosa, ondas, periculosidade.

1354719834_ACP_PDF 2_file_document

Dr David Szpilman

Dr David Szpilman

Dr David Szpilman - Sócio Fundador, Ex-Presidente, Ex-Diretor Médico e atual Secreatário-Geral da SOBRASA; Ten Cel Médico RR do CBMERJ; Médico do Município do Rio de Janeiro; Membro do Conselho Médico e Prevenção da International Lifesaving Federation - ILS; Membro da Câmara Técnica de Medicina Desportiva do CREMERJ. www.szpilman.com