Final feliz para ser comemorado no dia dos pais – Esporte radical (mergulho em apneia) quase matou meu filho

Feliz, pai relata drama de apoiar filho em esporte radical (mergulho em apneia) que quase o matou
Em Manaus, Marcelo desmaiou em piscina e ficou desacordado 3 dias.
Filho pratica mergulho livre e pai relembra incidente: ‘Foi milagre’.
Do G1 AM
Marcelo realiza mergulhos sem a utilização de cilindros de oxigênio: ‘Como não se apaixonar por isso?’, disse o empresário em entrevista ao G1


(Foto: Marcelo Rodrigues/Arquivo Pessoal)
Marcelo realiza mergulhos sem a utilização de cilindros de oxigênio: ‘Como não se apaixonar por isso?’, disse o empresário em entrevista ao G1 (Foto: Marcelo Rodrigues/Arquivo Pessoal)

Receber a notícia da morte de um filho é, sem dúvida, uma das experiências que grande parte de pais e mães evitam imaginar. O empresário Douglas dos Santos, de 67 anos, viveu um momento semelhante. O filho, Marcelo Rodrigues, de 40 anos, desmaiou em uma piscina ao praticar o mergulho livre ou nado em apneia – interrompendo a oxigenação – e chegou a perder o pulso durante o socorro. “Chegaram a dizer que ele já tinha morrido, que não tinha mais jeito”, lembrou o pai. Após perder os batimentos por cerca de 10 minutos, Marcelo relembra junto ao pai o drama do incidente.
Douglas e o filho mantém juntos uma empresa na Avenida Torquato Tapajós, em Manaus. Quem é atendido pela dupla não imagina que, por pouco, o negócio seguiria com apenas um deles. No dia 21 de junho deste ano, Marcelo deu um susto no pai e em familiares. Apaixonado por mergulho, ele conta como a parceria com o pai, nos negócios e no dia a dia, quase chegou ao fim.

O empresário Douglas e o filho Marcelo relembraram detalhes do incidente ocorrido em junho deste ano
“Eu estava fazendo natação, nadando livre na piscina da academia e fazendo um pouco de apneia. Eu estava fazendo isso a cerca de vinte minutos. Comecei a nadar sem respirar, trabalhando um pouco mais minha resistência e então eu apaguei. Isso é normal para quem pratica apneia, é um risco, mas eu estava sozinho. Desmaiei e fui para o fundo da piscina. Por muito pouco eu não morri naquele dia”, lembrou Marcelo.
O pai de Marcelo recebeu a notícia do incidente por telefone. “Primeiro perguntaram se ele tinha uma doença que dava desmaio. Eu disse logo que não. Um servidor da academia disse: ‘Ah porque ele desmaiou aqui, mas a gente já tá tomando as providências’. Eu fui para lá. Ele já estava sendo considerado como morto, o pessoal de lá já achava que ele tinha morrido, e eu também”, disse.


Marcelo pratica apneia para realizar mergulhos há 10 anos (Foto: Marcelo Rodrigues/Arquivo Pessoal )

Segundo Marcelo, um grupo de pessoas que nadava próximo a ele percebeu o desmaio apenas após alguns minutos. Médicos que malhavam no local afirmaram que ele havia morrido. Entretanto, uma socorrista de um hospital que chegou na academia no momento do incidente insistiu na reanimação. “Eu não lembro de nada, mas, pelo o que me contaram, eu estava todo roxo, sem respiração. A socorrista que me atendeu salvou minha vida. Ela já estava com os ombros doídos de tanto massagear meu coração, mas, depois de quase 10 minutos, eu voltei”, contou.

Com água nos pulmões e pulso instável, Marcelo seguiu acompanhado pelo pai para o Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio, na Zona Leste da capital, onde ficou internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) em coma induzido por três dias. Hoje, longe de perigo e sem sequelas, Douglas e o filho concordam que a recuperação rápida e total de Marcelo “foi milagre”. Mesmo após o susto, o filho revela que continuará praticando apneia para realizar mergulhos.

Douglas deve comemorar o dia dos pais, neste domingo (10), ao lado dos outros três filhos, de 5, 8 e 10 anos. Ainda que o filho mais velho siga com “as loucuras”, como Douglas se refere à apneia, a superação do filho deu um sentido a mais para a data comemorativa. “Ele é assim mesmo. Gosta de dar susto na gente. Uma vez ele quase morreu em um acidente de carro, quando bateu a cabeça, ficou em coma. Agora continua fazendo essas coisas, mas é assim mesmo. Filho a gente cria para por no mundo”, resume Douglas.

COMO EVITAR
Regras Elementares de Segurança
A apnéia é um esporte individual onde mesmo em competição por equipe, cada apneísta efetua a sua performance sozinho. Entretanto a apnéia não é um esporte individualista! Por razões evidentes de segurança ligadas ao meio aquático que nos permeia, a apnéia é um esporte individual que se pratica e se treina somente em equipe.

Supervisão
A supervisão é um ponto capital na relação entre as duplas.

Em piscina, ela deve ser aplicada seguindo os princípios:
Treine em pequenos grupos de 2 a 3 pessoas, chamados de duplas ou trios. Tente na medida do possível constituir duplas com apneístas do mesmo nível, a fim de que possam dar segurança mútua. Outra alternativa é a de colocar os iniciantes sob a supervisão de uma pessoa experiente, ou 1 apneísta iniciante com 1 apneísta de nível experiente.
* Um apneísta que se mexe e se desloca está consciente, mas um apneísta imóvel não está forçadamente inconsciente!
* É mais fácil detectar um problema em apnéia dinâmica (o apneísta pára, diminui a velocidade, ou desvia sem razão) do que detectarmos um problema em apnéia estática, onde o atleta esta imóvel. É necessário uma atenção especial quanto à supervisão nesta modalidade dinâmica. * A supervisão deverá ser efetuada com a máxima atenção e concentração. Não se admite distrair, conversar ou discutir com outras pessoas, ou desviar o olhar para as pessoas que passam.

Comunicação
A comunicação é indispensável, e deve ser feita com um mínimo de palavras e energia. Para isto são utilizados sinais estabelecidos do mergulho autônomo. Por razões de segurança é conveniente utilizar um sistema de comunicação através de toques, permitindo ao apneísta submerso comunicar suas sensações e impressões à pessoa que o supervisiona.


Imagem cedida pela campeã e recordista de apneia Karol Meyer para seu capitulo no manual de emergências aquáticas da SOBRASA.

Dr David Szpilman

Dr David Szpilman

Dr David Szpilman - Sócio Fundador, Ex-Presidente, Ex-Diretor Médico e atual Secreatário-Geral da SOBRASA; Ten Cel Médico RR do CBMERJ; Médico do Município do Rio de Janeiro; Membro do Conselho Médico e Prevenção da International Lifesaving Federation - ILS; Membro da Câmara Técnica de Medicina Desportiva do CREMERJ. www.szpilman.com