ANVISA aprova dispositivo para ajudar vítimas de engasgo – avaliação inicial

A medicina sempre tem buscado alternativas para lidar com situações de emergências.
Qualquer nova proposta de equipamento, medicação ou procedimento deverá ser testado cientificamente contra propostas placebo e as presentes alternativas já utilizadas antes de ser oferecido a comunidade profissional e principalmente a população para uso em seu lar.
Esse teste, na medicina, usualmente necessita incluir uma grande gama de variáveis para que tenha um valor de evidencia cientifica mais confiável e isso é muito difícil de se conseguir.
Como as situações de enfermidades provocam sempre ansiedade no paciente e ainda na equipe de saúde, principalmente as que ocorrem em emergências, é comum estarmos a busca de soluções que possa resolver estas aflitivas situações e nossa esperança nos levar a decisões de utilizar propostas ainda não testadas adequadamente.
Como profissional de saúde sabemos que uma das perguntas clássicas do paciente é: Essa medicação tem efeitos colaterais? É importante ao profissional de saúde explicar para seu paciente que qualquer medicação ou procedimento pode apresentar contraindicações, efeitos colaterais ou complicações, e isto é a regra e não a exceção. Resumidamente, em qualquer decisão em medicina, é salutar contrastar os pontos benéficos contra os maléficos, e só indicar seu uso se promover mais o bem do que o mal, e em seguida nos perguntarmos se existe alternativas que possam causar ainda menos risco de malefício e então propor ou aplica-la.

Lembramos os axiomas do socorrista (inclui guarda-vidas) antes de concluir
“Dr David Szpilman 2016”
1. Em um socorro você tem mais de 8 milhões de escolhas.
2. Não existe socorro perfeito, pois mesmo cometendo falhas o resultado pode ser positivo.
3. A prática dos protocolos e sua revisão após cada socorro melhora a eficiência de sua resposta.
4. Adote novos protocolos/equipamentos somente se for baseado em evidências cientificas.
5. Quanto mais ferramentas tiver, maior eficácia no socorro.

Conclusão
1. Qual o nível de evidência cientifica que o dispositivo tem comprovado para ser comercializado abertamente ao uso de todos?
2. Este novo dispositivo traz maiores benefícios do que a manobra de desobstrução de vias aéreas ensinada e aplicada há mais de 40 anos com resultados reais comprovados?
3. Se sim, quais são? Como usar? Em quem usar? Está indicado a todas situações ou é específico a obstruções completas? É fácil de usar? Precisa de treinamento? Será vendido a pessoas sem treinamento? Quais as contraindicações? Quais as complicações?
4. ESTE DISPOSITIVO NÃO ESTÁ INDICADO EM CASOS DE AFOGAMENTO pelas razões abaixo
a. A quantidade de água aspirada em um afogamento grave é em torno de 3ml/kg de peso, ou seja, pouco ou quase nada poderá ser extraído das vias aéreas.
b. As tentativas de extrair a água aspirada provocam a saída principalmente e quase exclusivamente de conteúdo gástrico provocando complicações.
c. Qualquer tentativa de extrair a água das vias aéreas causa mais complicações do que benefícios, tais como vômitos, tempo perdido em oxigenação e, portanto, aumento na mortalidade.

Dr David Szpilman

Dr David Szpilman

Dr David Szpilman - Sócio Fundador, Ex-Presidente, Ex-Diretor Médico e atual Secreatário-Geral da SOBRASA; Ten Cel Médico RR do CBMERJ; Médico do Município do Rio de Janeiro; Membro do Conselho Médico e Prevenção da International Lifesaving Federation - ILS; Membro da Câmara Técnica de Medicina Desportiva do CREMERJ. www.szpilman.com